x

Fique por dentro de todas as novidades do Portal Escolha Com Saúde. Coloque seu email abaixo e faça parte de nossa comunidade!


Cadastre-se gratuitamente e receba todas as novidades do site
Enviar para um amigo »

Nome:


E-mail:


Mensagem:



Para entrar com uma rede social você precisa aceitar os termos abaixo:


Enviar mensagem »

Nome:


E-mail:


Mensagem:



Conteúdos Gratuitos

Insira seu e-mail abaixo para receber este e-book e todas as novidades do Escolha Com Saúde por e-mail!

Crie sua conta!



OU
Fechar
*
*
*
*
*
*
*
Força da Senha

Caso você utilize Hotmail, Outlook ou Yahoo, verifique se o seu e-mail de confirmação de cadastro não está em sua caixa de Spam.

Para entrar com uma rede social você precisa aceitar os termos abaixo:





Fazer Login!



OU
Quero me cadastrar | Esqueci a minha senha
  • Cadastre-se
  • Entrar
  • Contato
  • ANTINUTRIENTES: CONHEÇA ESSE INIMIGO!

    0

    ANTINUTRIENTES

    ANTINUTRIENTES: CONHEÇA ESSE INIMIGO!

    Antinutrientes são alimentos que pela presença do glúten, estão sem  fibras (refinados), com carga vitamínica e sais minerais bastante reduzidos. Não tem a capacidade de estabelecer uma fonte nutricional adequada e atrapalham a utilização de vários nutrientes (digestão e/ou absorção comprometida).

    Podemos citar alguns exemplos:

    Produtos refinados e pasteurizados: O arroz branco, sal refinado, leite de vaca pasteurizado, açúcar refinado e farinha de trigo branca, são todos antinutrientes.
    Na verdade, não podemos chamá-los de alimentos, pois temos vários segmentos na ciência bioquímica nutricional que não os consideram como tal, pois seus valores nutricionais são incompletos e baixos, tais como as vitaminas, sais minerais e valor proteico, além do que, possui características não funcionais, sendo constituídos basicamente de amido e calorias.
    O resultado do consumo deles é uma carência de nutrientes, que quase sempre resulta em doenças como diabetes, hipertensão, elevação do colesterol, descontrole de peso (sobrepeso e obesidade), acúmulo de gordura abdominal e seus reflexos no organismo como a subnutrição, baixa da imunidade e até mesmo desnutrição.
    Pessoas que realizam a ingestão dos antinutrientes, são mais propensas a desenvolverem doenças crônicas, citaremos alguns fatores que servem para desencadear os pontos negativos citados acima.

    Quais alimentos são antinutrientes? Quais seus malefícios?

    1. Farinha de trigo branca: 

     Ela é quase amido puro e não tem nada de natural, seu processo de produção libera uma substância chamada “aloxana“,  é um veneno que em experiências de laboratório provocou diabetes em ratos sadios.

    2. Açúcar refinado:

     O açúcar refinado não pode nem ser considerado um alimento (orgânico), porque é completamente químico intencional (aditivos). Para o açúcar da sua casa ficar branquinho, é jogado cal, o que mata todas as vitaminas que ele contém; adicionam dióxido de carbono, para acelerar o efeito do cal, depois de passar pelo sulfato de cálcio e ácido sulfúrico, o produto fica bem clarinho. Para finalizar, saiba que o açúcar não tem vitaminas, gordura, fibras ósseas ou qualquer outro benefício para nossa alimentação.

    3. Leite de vaca pasteurizado Leite de vaca é para bezerros, e não para humanos:

    E o problema fica pior quando o leite é pasteurizado, pois ele perde todas as bactérias benéficas para nosso intestino, dificultando a absorção de nutrientes. É esse tipo de leite que causa alergia e catarro em crianças e adultos. Além disso, é um alimento rico em colesterol e gordura saturada.

    4. Arroz branco:

    O arroz aumenta a glicose no sangue (possui uma carga glicêmica moderada), o que pode contribuir para o diabetes. Como acontece com o açúcar, o arroz, para ficar branquinho, passa por um processo nada saudável, que o torna apenas um amido destituído de nutriente.

    5. Sal refinado:

     O sal de mesa comum é basicamente cloreto de sódio, o que aumenta o risco de hipertensão, doenças cardiovasculares e renais, e como sempre falo, todo sódio e cloro que necessitamos, encontra-se na nutrição funcional. Sua utilização é associada ao termo prisão dos sabores. Mas lembrem-se, tudo na vida é uma prática que se torna um hábito, além disso, temos as especiarias e ervas aromáticas.

    Está gostando desse artigo? Então cadastre-se abaixo para receber todas as novidades do Escolha Com Saúde no seu e-mail:

    Outros elementos antinutrientes:

    . O fitato ou ácido fítico: Encontrado principalmente na casca de castanhas, sementes e grãos, atrapalham a utilização de certas vitaminas e sais minerais. Em alguns alimentos como o milho, não há tal concentração do ácido fítico na casca, estando razoavelmente uniforme em todo o grão. Desta forma, em geral, a versão integral, destes alimentos, tende a conter um teor maior de ácido fítico, embora sua influência em determinado mineral (como quelante), possa ser contrabalanceada pelo maior teor deste mesmo mineral no alimento integral. No geral, a utilização de cereais integrais é benéfica pela quantidade e qualidade das fibras e minerais, porém, tudo tem que ser bem monitorado, tipo o fracionamento, a quantidade e a combinação, para tentar reduzir a ação negativa dos fitatos.

    . O ácido oxálico ou oxalato: Também possuem a mesma interferência e recomendação e são encontradas em vegetais verdes escuros (espinafre), frutas cítricas, bebidas alcoólicas, cereais/leguminosas, nozes, cacau, quiabo, beterraba e principalmente a ingestão de excesso de  carboidratos nas refeições (principalmente os ditos açúcares brancos –  calorias vazias), pois são formados e liberados pelo  metabolismo da glicose.

    É de grande valia ressaltar sempre a importância de sabermos quantificar, qualificar e combinar os nutrientes, para obtermos o sucesso na disponibilidade dos nutrientes no trato digestório (melhor absorção), ou seja, não é retirar o espinafre, o feijão e o quiabo da  alimentação e assim por diante, pois eles possuem pontos bastante favoráveis à nutrição orgânica do dia.

    Ponderação – É necessário que o indivíduo busque uma orientação, avaliação nutricional e clínica para que tenha realmente a sua verdade orgânica antes de mudar tudo!!!

    Gostou do nosso artigo? Tem alguma dúvida? Deixe seu cometário!

    Cadastre-se e tenha muito mais informações  😉 

     
    Referências Bibliográficas:

    . Alergia Alimentar – da Primeira a Terceira Edição – Aderbal – Rubia

    . Barriga de  Trigo –  Marcelo Saldanha –  2012

    .  Aspectos Alimentares – Amado TCF 2005 e 2002

    . Alimentos Funcionais –  Borges e Pollonio – 2000 e 2001

    . Alimentos estudos Abrangentes – Evangelista j – Atheneu

    . Série Nutrição e Metabolismo – Manual  e procedimento e/ Nutrologia Ed GB

    . Nutrição Clínica -Série Nutrição e Metabolismo – ed GB

    . Bioquímica Básica – da primeira a Terceira  Edição  –  Anita Marzzoco e Torres.

    . Princípios da Bioquímica – Albert L. Lehninger

    . Nutrição Moderna na  Saúde e na Doença – Décima Edição – A. Catharine, Ross…

    .Biodisponibilidade dos Nutrientes – 05 edição – 2016 Editora Manole, Sílvia Cazzolino.

    WhatsApp

     


    Comentários

    Comentários


    Voltar para a capa do Escolha com Saúde (clique aqui)


    Fechar
    Terapeuta Nutricional há 24 anos e a partir de 2004 pesquisador e ativo na Nutrição Funcional Clínica e Esportiva, mestrado em Bioquímica Nutricional, especializações em Metabologia dos Nutrientes, Biodisponibilidade Nutricional, Fitoterapia e Nutrição Esportiva. Permite-se viajar pela Roda Nutricional, suas Crenças, Combinações e Tipos de Conduta Alimentar, a qual prefere referir-se como Programa Alimentar. Ele acredita que tudo é conclusivo quando realmente tem um Estudo comprobatório e um Diagnóstico Nutricional Conclusivo.

    Deixe um comentário